terça-feira, janeiro 08, 2008

Cielo

Nem ousava ser Natal. Talvez por isso, e por que uma moça vestia uma paz tão em guerra, eu tenha ancorado meus pensamentos entre o polegar e o indicador da sua mão esquerda.Agora, além dos três lírios, ela tinha nas mãos a minha atenção. Tudo amarelando ali.Pesar de preces antigas nas gavetas do tempo. Recitadas com fé ácida e algumas ânsias.
Meu olhar aportou, só pra de lá perder o rumo. O corpo inteiro apreensivo, num movimento suspenso...o coração atracando. Cada movimento que ela fazia para encontrar a paz, deixava em mim um desespero de guerra.
Ela fincou os demais dedos de sua mão esquerda na areia, como se tudo dentro fosse arrebatador demais e não pudesse se sustentar em si. E por Deus, eu entendia. Era resposta tonta de tanto medo de um pensamento virar impulso, ataque ou defesa. Compreender faz meu coração vibrar em minhas cordas vocais. Porque som de ausências se faz quando o ar falta e a boca se abre sedenta em meio a tanta saliva. Um desassossego ritmado no peito, bate pesado, cheio.Todo oxigênio é só alimento pra saudade. Suspira. Queima. O corpo inteiro. Como se a carne soubesse que é preciso incensar os altares pra alma se apresentar: - oferta.
Lírios. Três. Indicador e polegar se dobram para abraçar três caules inflamados de tanta esperança. Consolo? Três desejos pendentes nas mãos.Branco-gelo. Um desabrochar de medos. Cor do passar do tempo tingindo as flores: amarelo.E ela coloca a mão direita sobre o rubor da face: sol-ardências-vergonhas. A vida despindo os disfarces com as mãos dos instintos.
Caminha até uma onda ameaçar a firmeza dos seus passos. Espera incerta por um momento ímpar. Demasiadamente longo. Haveria de pedir por paciência, mas só haviam três lírios.
Mergulhou os pés e pensamentos.
Muita fé.Um suspiro.Um impulso.Uma entrega. Duas. Três.
E uma grande expectativa.
vai-vem. vai-vem. Tanta fragilidade nos sonhos. Nos lírios. Na vida.Na alma...
vai-vem. vai-vem. Tanta incerteza no movimento das águas. Nas mãos. Na vida. Na alma.
vai-vem. vai-vem. Algumas frustrações despetaladas na areia.
Afasta o corpo, ganha distância nos olhos. Alarga os passos. Pára. Olha de longe como se... tivesse se deixado lá. Um ou dois flamingos alçam vôo no seu estômago, aprendizagem de liberdade. Uma quase-vertigem, de quando tudo falha. Estátua de sal? Pediu com fé: - Por Deus, não!! Colocou os óculos escuros como quem acaba de colocar uma coroa de flores sobre uma lápide fria e vai se afastando de-va-gar, os dedos reconhecendo, no tato, o frio da ausência.
Ela se foi... e ficou. Caminhando dias a fio por meus pensamentos. E eu que nem encontro nas celebrações de ano novo um sentido. Mas, que quero encontrar sempre no instante novo matéria-prima pra criar e re-criar meus sentidos... Encontrei nos gestos daquela moça claridade de lua cheia sob o mar.
Tenho nas mãos três preces prateadas. No coração: tantas luas, São jorges e dragões. O olhar limpo de noite clara... vôos de flamingos no estômago. De quando você me olha e traça, sem saber, no ar, com o clarão do teu sorriso, uma rosa-dos-ventos.E isso me desterritorializa. Mas, já fiz as minhas preces.






Cecília Braga

10 comentários:

Rafael disse...

acho que eu nunca vou cansar das suas belas palavras. sempre é um alívio na alma passar aqui.

E só agora eu vi o comentário que vc me deixou no fim do ano. Obrigado, Ce. Também torço por você daqui. E a gente vai (o que?) se torcendo de cada lado, acho que deve contar alguma coisa no escrito das estrelas.
Felicidades pra você nesse ano. E felicidade sua é felicidade nossa.

Beijo, menina bonita.

Briza disse...

posso levar comigo?

alex pinheiro disse...

E lá se vai lírio
pra voltar
Lixo,,,
...
Aí sim,,, texto fantástico, sem perder Cecília Braga. Gosto dessa coisa com as palavras, feitas pra um lugar e desconstruídas noutros. Belo!

Bjs e anti-ecológicas(rs) invenções!

Juliana Caribé disse...

Saudades de você, Menina-Cecília...

Camilinha disse...

Nossa, Cecília... faz algum tempo que meu coração esperava por palavras tuas... que bom que voltou!!

beijos daqui...

alexandre disse...

Belo demais...

alex pinheiro disse...

Olá, Cecilia... estou de passagem rápida pra lhidizê que te reproduzi em o InventO, por conta do meu aniversário na blogosfera,,, passa lá dar uma olhada depois...

Bjs e reproduzidas invenções!

Bruno Twain disse...

Nhaaa adorei seu blog^^
Li os textos e achei deslumbrante, até para mim que estou iniciando agora um blog e escrevendo, me deu inspiração tanta coisa boa que encontrei aqui^^

Bjos^^

Midya disse...

hauhauhauahuahuahua...
amei o texto traça!
e olhe q esse eu li todoo*

amo vc

Narrador disse...

Oi moça, primeira vez que venho aqui...achei o seu endereço na Rita.Gostei muito dos textos.
Vou fazer freguesia...rs