quarta-feira, abril 04, 2007

OM MANI PADME HUM

Corpo sacralizado no gesto que a alma modelou.
Sem pressa.
Só essa tranquilidade interior é que tem suavizado meus dias. De intensas cores.
Meu corpo cede aos apelos de paz hasteado em meu lençol e se encolhe inteiro, ninho...
Ω
Corpo - vitrine. Alma exposta.
Silêncio reverenciando o milagre da vida, germina. Serenidade de quem se gesta. Corpo que se dobra desejando ser abrigo, proteção...esquece sua fragilidade, pensa ser frágil o que o anima. Mas não é.
O que me dói serena os olhos e orvalha a face. Estou amanhecendo.
Minha alma aspirando o alfa, espaço de re-criação, princípio.
No peito ressoa os desejos...
Minha intensidade evocando o azul.
Descobri que tenho o coração pulsando e-ternidades.

*
*
*
Cecília Braga

7 comentários:

Alexandre disse...

Você usa as letras maravilhosamente para compor seus versos!
Bjs.

Rafael disse...

Letras? Que letras?
Esses rabiscos são a própria arte.
Do alfa, ao ômega...
e-tern(ur)a

Duda disse...

Rápido... cheio de significados...

Um texto escrito por quem não tem muito tempo à perder... Um texto que fala de eternidade, ternura, serenidade... como se expressassem desejos pulsantes não apenas no bolo vermelho recheado de angústia, mas em também cada pedaço obscuro de tecido conjuntivo....

saudade...

(ainda espero comentários... mas sem pressa... quando vc tiver tempo)

duda disse...

p.s.> perdoe-me a crase mal colocada e outrros possíveis erros hehehehe

beijo

Elenita disse...

http://acasosafortunados.blogspot.com/

Mudei =)
Altera aí...

Beijão.

Camilinha disse...

E com apenas suas palavras...
... a alma voa...
Você é desejo de anjo, sabia?

Beijinhos candangos...

Alex pinheiro disse...

Neem fale!!! o coração pulsa até após a morte,,, o pulsar das coisas que ficaram pra quem ainda respira e zaz... amanhecer é mto bom! aiaiviw! humf!
Bjs inventivos a vc Braga!