domingo, setembro 02, 2007

Fototropismo

Do desencontro aos seus anteriormentes era tanto remendo de palavras, que descarece de se ter olhar de moça prendada para diagnosticar que sendo tudo feito e posto de demasiados restos e sobras, jamais haveria de se configurar ali um cobertor.
Era um acobertador de vazios, e só.
Para atingir imobilidades se precipitou toda no instante. Sim. Dentro, ela era casa em chamas sem emergenciar saídas.
As coisas eram que lhe ocorriam por dentro numa urgência, um desespero de quase-vida.
Quantas despalavras bocejam o olhar no espreguiçar das retinas?
Todo silêncio petrificado na indiferença dos olhos, medida exata de quebra-mar.
O corpo produzindo mormaços. Cinzas e vermelhos esfumaçam o mundo.
Nos ventaminhos de dentro, silencionava.
Até chegar a esculpir o tempo na beira dos olhos.
Tudo in, brisareiando as vistas.
As pálpebras insandescem para atingir desmaios.
Lágrima pegou as redondezas do mundo, no prenúncio de horas de nascimentos, rompe-lhe a bolsa, chora paz.
Ela es-cor-re.
Arlívido.
Gotejo de azul no só-riso, tão ressecado de ausências.
Tem desgosto e sal na fenda dos lábios.
Tão dentro de si, bebeu o mar.
Se ele sentasse na beira de mim, diante de si, encanto de maré.
Arestou esse incômodo do que não é,
E em fúria de ressaca, fechou-lhe nas mãos.
Ofício de ostra: o estranho em mim, principia pérolas..
Tudo agora é gozo de terra abraçando semente,
Êxtase orgástico de quem aperta em si um outro , já tão seu, como se lhe gerasse.
Tentativa vã de entranhar instantes,
Pois eles me nascem.
~
Cecília Braga

4 comentários:

pêpis disse...

às vezes falta até o que dizer...

esse foi escrito com toda a força daquele mar,
e toda boniteza também.

nessa vida até o mar tem suas fases. o importante é saber nadar conforme for a corrente.

amo-tú frô, bjÃo amiga

Camilinha disse...

"...até chegar a esculpir o tempo na beira dos olhos..."

*que é isso, menina... acabastes de dar a luz a uma critatura magnífica, sabe disso?

Beijos mil

Rafael disse...

ofício de ostra é uma das coisas mais lindas. mas não é pra qualquer um.

difícil comentar os seus textos, porque eles são um conjunto muito coeso. cabe mais síntese que análise.
gosto por demais =D

arteimitavida disse...

Lindo!

bjus