domingo, maio 20, 2007

Êós - Deusa da manhã

É devaneio, sim.
Tuas mãos surpreendendo meus olhos.
Repousam sobre eles.
Meu olhar de lua cheia, tuas mãos de sol tecendo eclipse.
Passeio minhas mãos sobre as tuas num medo alegre.
Meu dedos envolvendo com força os teus. Aperto.Temo e tremo.
Os anéis de Saturno atravessados na garganta, embargando a voz.
Essa coisa sem pertencimento vagando no estômago feito Plutão.
Minhas mãos afastando de-va-gar as tuas, sem perder a órbita.
Afasto um a um os teus dedos escoando aurora.
Meu olhar perdido no traçado rósea da palma de tua mão, nele o alvor do dia.
É que sonhei com Primaveras.
Mas, aqui dentro um Outono calado.
Um amarelar das coisas antigas. Guardadas.
Fotografia de tempos atrás revelando sonhos realizados somente ali, no castanho dos olhos.
Tão claros, meu Deus.
Ouço ao longe o vento pastoreando nuvens...
Aqui terra seca de tanto verão tem sede.
Da vida e das estações só se alcança compreensão nos seus contrastes.
Shiva dança. Marca no passo o ritmo do tempo.
E no movimento das mãos abre e fecha ciclos.
Chove.
O sol em outro hemisfério. Inverna a alma.
Bem sei apreciar a beleza de cada estação.
Eu só queria caber no seu abraço mesmo quando
o tempo esquenta o corpo, mas só outro corpo aquece a alma.
Na Gênese que toda noite escura prenuncia eu só queria teu hálito fresco de manhã soprando vida nova em minhas narinas.

Da poesia que você trouxe para os meus dias declamo aqui meu último verso.
°
Cecília Braga


8 comentários:

Duda disse...

Contemplação.

O tempo dá um pausa de mintos a cada segundo.

Imaginando, com a pele fria e os olhos tremulando, quantos outonos calados podem existir atrás de olhos eclipsados.

"Da poesia que você trouxe para os meus dias declamo aqui meu último verso"... quequié isso... essa menina-mulher melhora a cada dia... tu não cansa de escrever sempre melhor e melhor não, menina-mulher?

minha saudades já imensas e ainda em expansão...

P.S.>>não esquece de aproveitar o show do TM por DOIS.

Juliana disse...

É uma explosão do cosmos...
"eu só queria teu hálito fresco de manhã soprando vida em minhas narinas."
Sopra, doce Cecília, e dá vida às palavras! Meu Deus, como toca no coração...

Beijos.

Rafael disse...

Ao som de Vivaldi...
d--b

Vânderson Godoi disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Alexandre disse...

A metáfora é a lingua dos poetas. Lindo Cecília!

Camilinha disse...

Pois não é, Cecília?!
O cosmo, as estações, as sensações... não se sabe onde começam e onde terminam...
... é sempre assim...
suave assim...
e tudo gira...

Você é cara, jóia rara...
Beijos mil

alex pinheiro disse...

Que tal "meu mais recente verso" ao invez de "ultimo verso"?! O "último" tem um significado muito forte!

Adorei a poesia no mudar das estações...
"Eu só queria caber no seu abraço mesmo quando
o tempo esquenta o corpo, mas só outro corpo aquece a alma."
Isso foi perfeito!!!

Abraços e apaixonantes invenções!

Briza disse...

vai lá na minha casa, vai.